Digital clock

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Mudanças de ideias e atitudes!

Hello Catitas...



   Tô há um loooooongo tempo sem passar por aqui e sem postar nada. Não por falta do que escrever, muito pelo contrario!
   Nesse último mês, muitas coisas aconteceram e muitas coisas tomaram outros rumos em minha cabecinha, antes bem confusa, agora, bem decidida! Estive no Rio e cheguei hoje de viagem. Já viajei com planos diferentes na cabeça e voltei decidida a colocá-los em prática. O principal é que não vou fazer a redução de estômago. Pelo menos, não sem antes tentar (de verdade) ao menos uma vez, emagrecer de uma maneira menos invasiva, como a cirurgia. E por quê decidi isso? Bom, eu continuo achando que a redução de estômago é uma boa solução e muito válida. Mas o problema é que para mim, a expectativa de realizá-la logo, estava me fazendo ficar extremamente ansiosa (o que não é comum pra mim, pois sou bastante racional e prática), o que estava me fazendo muito mal! Eu dormia e acordava pensando em quando chegaria a minha hora e como seria o depois. Sofri uma fase muito louca de altos e baixos, praticamente sozinha, pois erroneamente, não externei isso para minhas psicólogas ou amigos. O único que tinha mais ou menos uma noção de como eu estava mal, era meu marido, pois ele convive comigo diariamente e já me pegou chorando compulsoriamente algumas (muitas) vezes. Mas, mesmo eu não externando por completo o que estava se passando em meu íntimo (na maioria das vezes, simplesmente, porque nem eu sabia o que estava sentindo), graças a Deus e ao meu grupo da bariátrica, com os exercícios de auto-observação, eu comecei a detectar e a buscar soluções para os meus conflitos pessoais e internos. E uma das conclusões que cheguei, foi que eu não devia fazer a cirurgia sem antes fazer de TUDO para perder peso de outras maneiras, com reeducação alimentar e atividades físicas. E principalmente porque não me considero uma paciente com comorbidades consideráveis e urgentes, para fazer a cirurgia de imediato.
   Um dos meus maiores medos do pós-cirúrgico, não era de ter alguma complicação na cirurgia em si, ou de não conseguir emagrecer, ou medo de morrer... nem nada do gênero. Por incrível que pareça, meu medo era exatamente o de ficar magra demais. De não parar de emagrecer no ponto que eu achasse bom pra mim. Esse medo surgiu, dado às muitas pesquisas e conversas que tive com mulheres que tiveram problemas com isso. Eu quero sim perder peso. Mas nunca me imaginei ou quis ficar magra, com o peso que os médicos normalmente estipulam para minha altura, entre 63 e 70 kg. Isso pra mim, é surreal e não quero chegar a esse ponto. Quero emagrecer e, muito, sim, mas não quero estar dentro de "padrões" estipulados pelos outros, quero estipular o meu padrão e me sentir bem dentro do meu corpo e no que verei no espelho. Emagrecendo o quanto EU achar que é preciso.
    Eu sempre fui feliz em ser gordinha, ao contrario do que ouço da maioria das pessoas que fizeram ou farão a redução. Até um certo peso, eu nunca tive problemas de autoestima, de autoimagem e me sentia feliz e linda, mesmo estando acima do peso. Ser gordinha, sempre incomodou mais às outras pessoas, do que a mim mesma. Tanto, que eu NUNCA tentei perder peso antes. Nunca segui uma dieta ou fiz algum acompanhamento médico de VERDADE, para perder peso. Eu cheguei sim a procurá-los, mas como não foi por que EU queria emagrecer e sim por causa de pessoas da minha família, de fato eu não segui porra de dieta nenhuma e abandonei o tratamento antes mesmo de começar! Eu só desejo emagrecer MESMO, de uns cinco anos pra cá mais ou menos... mas só desejei, sabe? Nunca fiz algo de verdade para emagrecer. E na minha auto-observação e me dando conta do que realmente estava me incomodando e me causando uma ansiedade pra lá de maléfica e constatando que, ao contrário da maioria dos pacientes de redução de estômago, eu NUNCA tinha tentado emagrecer de verdade antes, da maneira "tradicional", então resolvi tentar esse recurso (que deve sim ser tentado por todos os candidatos para a redução de estômago, como os próprios médicos enfatizam), antes de recorrer à cirurgia. Então, como se deve ser, eu farei sim a cirurgia, mas como ÚLTIMO recurso. Para isso, me dei o prazo de um ano à partir do começo de agosto desse ano (que é quando começarei a academia com acompanhamento profissional), para perder pelo menos 30% do meu peso atual, daí, se dentro desse prazo, eu não conseguir emagrecer com as atividades físicas (AF), com a reeducação alimentar (RA) e com a ajuda da equipe multidisciplinar (endócrino, nutricionista e psicologia) do Hospital das Forças Armadas (HFA), onde originalmente eu faria minha cirurgia de redução, aí sim, eu irei recorrer a cirurgia de redução de estômago, sem nem pestanejar!rs. Mas como estou em uma fase de grandes mudanças e reviravoltas (positivas) em minha vida e estou recebendo o apoio total do meu super-marido, de minha família e dos meus amados amigos, além claro das minhas psicólogas Moema e Lígia e de meus amigos do grupo E, levando em conta os resultados que já obtive até aqui me utilizando desses mesmos recursos (RA, AF nutrição, endo e psicologia), acredito de verdade que irei SIM conseguir alcançar meus objetivos e perder peso de uma forma mais lenta, porém com mais controle de minha parte, sem precisar "entrar na faca" (pelo menos até a fase de cirurgias reparadoras), me livrando assim, dessa ansiedade louca e desse medo absurdo de emagrecer demais e ficar feia e esquálida, que tanto me assombrou nesses últimos meses.
   Sei que muitas pessoas podem não me entender, mas é o que meu coração e me minha intuição estão me pedindo para fazer nesse momento.
   Não irei abandonar o grupo da bariátrica e seguirei seguindo tudo que me for recomendado pela equipe multidisciplinar, como se ainda estivesse me preparando para a cirurgia, pois assim, se o plano original não der certo, parto para o plano B e com tudo já encaminhado e exames feitos, dentro do grupo, será mais fácil realizar a cirurgia.
   As coisas que estão acontecendo (essa minha mudança de atitude e decisão), está casando com uma fase confusa que está acontecendo no hospital, o que só me dá mais base para a minha teoria de que ainda não devo optar pela redução. Já têm três meses que não é realizada nenhuma cirurgia de redução no HFA. A fila só cresce, sem previsão de retomada dos procedimentos. E, para piorar a situação, o hospital está em greve. Então, mesmo que eu quisesse, se eu ainda estivesse naquela antiga ansiedade pela cirurgia, eu ainda iria sofrer por muito tempo por conta dessa confusão que está acontecendo por lá. É lamentável, pois têm pessoas que estão em situação de saúde agravadas ou com seus convênios próximos ao vencimento, o que é um absurdo, não estarem acontecendo às cirurgias há tanto tempo. Antes eram realizadas duas cirurgias de redução de estômago por semana no HFA, e hoje já estamos há meses sem nenhuma e sem respostas.
    Estamos nos mobilizando, fazendo reclamações e nos unindo para mudar essa situação (não é só porque não estou desejando mais a cirurgia para mim, nesse momento, que deixo de me compadecer e me mobilizar pela necessidade das outras pessoas).

   Assim, explicado essa parte das mudanças dessa minha fase de vida, sigo com o blog, mas com um novo objetivo e uma nova roupagem. Mudarei tudo aqui no blog, inclusive o nome. Continuarei registrando aqui meus avanços na minha mudança de vida e na minha perda de peso, só que não mais com base na redução de estômago. Meu emagrecimento, não será o único foco principal desse "novo" blog. Aqui eu irei focar um pouco mais em algumas paixões que tenho, principalmente maquiagens e moda.
   Não sei se vocês (seguidoras e amigas já existentes) irão se identificar com esse "novo" blog, já que ele não terá mais em pauta a Gastroplastia, para o qual originalmente foi criado. Mas mesmo eu não estando mais para fazer a cirurgia, continuarei seguindo e mantendo às amizades que conquistei por conta desse assunto que tínhamos em comum. Espero que eu possa continuar com o apoio de todas vocês, que sempre me fez um bem danado, também nessa minha nova empreitada!
  Desejo toda a sorte do mundo às pessoas que estão nessa luta pela redução de estômago e continuarei dando todo o meu apoio a quem fez ou fará essa opção. Não mudei minha opinião sobre a redução de estômago. Não a desconsiderei como recurso para a perda de peso. Só resolvi fazer a coisa toda como ela deve ser feita. Tentarei emagrecer da maneira "tradicional", mas se por acaso algo não der certo, com certeza a cirurgia é, e será sim minha próxima opção! Espero contar com a compreensão e a acolhida de todas vocês, como tive até aqui. Continuem contando com minha amizade e com minha eterna gratidão por todo o apoio que tenho encontrado em vocês até aqui.

Um grande beijo à todas vocês guerreiras e corajosas que enfrentarão ou já enfrentaram a cirurgia de redução de estômago, minha admiração por todas vocês é gratuita e enorme!

Sucesso à todas nós em nosso objetivo de mudar de vida e de perder peso, seja qual opção que cada uma de nós escolher para alcançar nossas metas. Afinal, a técnica e os meios de perda de peso podem até ser diferentes, mas a força e a luta que encaramos diariamente, por toda a vida, contra a intolerância e o preconceito da sociedade e da maioria das vezes de nós mesmas, nos unirá sempre!

Por hora é só!
Bejinhus meus...

3 comentários:

  1. Todas as pessoas que vem conversar cmg a respeito da cirurgia com intenções de operar a primeira coisa que sempre digo: só faça se você tiver 100% seguro e ciente de tudo. Se há uma duvida, um medo, o melhor é esperar! Você está certissima Angelica. O importante é se sentir bem e segura para isso afinal você vai ter que conviver com isso a sua vida inteira. Podemos até levar uma vida normal mas nunca podemos nos esquecer que somos operadas. Se há outras possibilidades que ainda não foram utilizadas vá tras mesmo e em ultimo caso a cirurgia estará lá "te esperando"... pq depois dela "ines é morta" né?rs... Não há como voltar a tras! Parabéns pela sua maturidade e principalmente por se respeitar, respeitar seus limites e suas vontades. Fiquei muito feliz em ler seu post, acho que não tinha comentado aqui ainda, mas não tive como passar ilesa! Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Anna!
      É verdade, tenho que me sentir cem por cento segura, o que de fato não tem ocorrido! Agradeço a visita e seu comentário. Um beijo!

      Excluir
  2. Angelica, estou nesse mesmo dilema que vc mencionou acima. Hj tenho o mesmo peso que vc relata, e os mesmo pensamentos. Em seu texto consegui ler tudo aquilo que venho falando para meus amigos e familiares nos ultimos meses. Somo identicas..... JA me matriculei em uma academia,( começo na segunda feira) e com a ajuda de um nutricionista estou dando inicio em minha reeducação alimentar. Estou disposta e muito confiante nos resultados.

    ResponderExcluir

Comentem Catitas! Adoro saber o que vocês estão achando das postagens! Um beijo!